Você sabe como identificar uma lâmpada LED irregular?

Confira quais são os principais indícios que apontam a irregularidade do produto

22 de maio de 2018

Já reparou a quantidade de marcas de lâmpadas LED disponíveis no mercado? Infelizmente neste caso a variedade não necessariamente reflete algo positivo, pois, em meio às marcas sérias e de procedência, é possível encontrar lâmpadas com baixa qualidade não só em termos de desempenho, mas também de segurança.

Foi justamente por conta da popularização do uso das lâmpadas LED no mercado brasileiro que se fizeram necessárias medidas de regulamentação para garantir que estes itens estejam em conformidade com padrões específicos de segurança, desempenho e qualidade estipulados por um órgão certificador renomado.

Por isso, desde o dia 17 de janeiro de 2018 está proibida a comercialização no Brasil de lâmpadas LED, do tipo com dispositivo de controle integrado à base, sem certificação do Inmetro.

Porém, mesmo com os esforços de fiscalização pelos órgãos competentes, ainda é possível encontrar no mercado brasileiro lâmpadas com baixa qualidade. Então, para não se deixar enganar por produtos de procedência duvidosa, é fundamental que o consumidor fique atento a alguns pontos na hora de comprar lâmpadas LED.

Confira no material abaixo, feito pela Abilumi (Associação Brasileira dos Fabricantes e/ou Importadores de Produtos de Iluminação), quais são os principais indícios de que uma lâmpada é irregular.

(Aproveite para baixar as imagens em seu celular e compartilhar em seus grupos de Whatsapp!)

 

Preço não deve pautar a escolha do LED

Segundo o engenheiro elétrico e Assessor Técnico da Abilumi, Rubens Rosado, consumidores que se preocupam apenas com o preço no momento de aquisição de suas lâmpadas perdem triplamente.

“Primeiro, por colocarem em risco sua vida e suas instalações, com produtos que não têm, por exemplo, isolamento adequado e proteção contra curto circuito e, segundo, por estarem sendo enganados em relação às informações de embalagem, como fluxo luminoso e potência, inferiores ao que o produto proporciona”, alerta o especialista.

Quer saber mais sobre a Abilumi? Clique aqui.